Escrever é viver duas vezes um bom Momento.
Antonio C Almeida
SOMOS TODOS POETAS
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


 
     É só um quiosque pequeno. Vendendo artigos de necessidade de momento. Abre às 11:00 horas, pois antes seu Oriel (Cearence de 64 anos que mora no Goiás), cuida de uma horta, numa escola primária. Seis da tarde fecha. Sete horas da noite ele inicia o trabalho de vigilante, dia sim dois não. No sábado e domingo pela manhã, por não ter o compromisso da horta, ele vai assentar tijolo, colocar piso e fazer reparos de hidráulica e logo as 11:00h, no comércio, abre a sua porta. Um dia falei:
- Oriel a culpa do desemprego são pessoas como você, tem mais de quatro e tira vários do páreo – risadas. Ele respondeu:
- Eu não conto os empregos, só conto o dinheiro, que nunca dá. Mas se não for assim como será?
     Chega um pedinte, ele pergunta: - É para almoçar? Se é tem uma enxada no banheiro e você faz o aceiro e senta para almoçar comigo (ele faz o almoço, pois sua esposa está no trabalho e sempre tem mais uma boca para comer. Cuidadora, faxineira, auxiliar de enfermagem e mais o que aparecer, não para no dia até o anoitecer. Assim segue Dona Eliane.), – O sujeito vai embora. Oriel conclui: - Ninguém quer fazer o aceiro, mas eu não gasto do meu dinheiro.
 
 
Antonio C Almeida
Enviado por Antonio C Almeida em 02/04/2019
Alterado em 05/04/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários